sábado, 25 de setembro de 2010

O amor no mundo contemporâneo

Na sociedade contemporânea, fala-se e escreve-se muito sobre sexo e quase nada sobre o amor.
Talvez seja pelo fato de que o amor, sendo um enigma não se deixa decifrar, repelindo toda tentativa de classificação ou definição. Por isso, a poesia, campo mítico por excelência, encontra na metáfora a compreensão melhor do amor. efetivamente, a literatura nunca deixou de falar do amor.

Talvez o vazio conceitual se deva à dificuldade de expressão do amor no mundo contemporâneo. O Desenvolvimento dos centros urbanos criou o fenômeno da "multidão solitária": as pessoas estão lado a lado, mas suas relações são de contiguidade, seus contatos dificilmente se aprofundam, sendo raro o encontro verdadeiro.


" Como ciumento, sofro quatro vezes: porque sou ciumento, porque me reprovo de se-lô, poque temo que meu ciume machuque o outro, porque me deixo dominar por uma banalidade: sofro por ser excluido, por ser agressivo, por ser louco e por ser comum".


Referêcia bibliografica

Arruda, Maria Lúcia; Pires, Maria Helena. Filosofando, introdução a filosofia.



2 comentários:

  1. E como tu é ciumenta, iem?
    Amiga eu gostei... e eu adoro tanto essa foto... sabia?
    Olha que essa foto é meu sonho de consumo... olha o cara, olha? Olha...

    amiga
    eu te amo, tá?


    Eu nunca deixarei de escrever sobre o amor...

    que vc tenha mais tempo de nos presentear com textos assim :D

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário