terça-feira, 21 de junho de 2011

Simplesmente Aline

Simplesmente Aline, essa é uma pessoa muito especial para nós! Seremos sempre três.
Seu jeito de puxar as pessoas para a realidade, uma menina cheia de sonhos, um futuro grande pela frente, com seu jeito inocente de ser.
Parabéns Amiga, sei que são 12:29 minutos agora, mas te faço essa pequena homenagem para te de dizer que te adoro muito e estarei sempre ao seu lado quando precisar, e quando não precisar.
Que Deus abençoe o grande futuro que estás esperando, será dias de muita alegria e único na sua vida.




Feliz Aniversário.........................



Um poema de uma das escritoras que você mais gosta para você


Se você quiser me contar seus segredos
Sou de todo ouvido.
Se os seus sonhos não derem certo,
Estarei sempre lá para você.
Se precisar se esconder,
Terá sempre minha mão.
Mesmo se o céu desabar,
Estarei sempre contigo.
Sempre que precisar de um lugar,
Haverá meu canto, pode ficar.
Se alguém quebrar seu coração.
Juntos cuidaremos.
Quando sentir um vazio,
Você não estará sozinha.
Se você se perder lá fora,
Te buscarei.
Te levarei prá algum lugar
Se precisar pensar.
E quando tudo parecer estar perdido,
E você precisar de alguém
Eu estarei sempre aqui.


Martha Medeiros

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Emily Jane Bronte

No silêncio, um ou outro estalido de lenha queimando na lareira e o ruído incessante das agulhas de tricô. Emily ergue os olhos da costura, passeia-os pelas roupas não remendadas e observa o perfil de Charlotte, pequena e míope. Tricotando. Desvia o olhar para Anne, calada, imersa na tarefa de pregar botões. Não são 4 horas da tarde, mas o céu está escuro. A noite desce cedo em Haworth.Para as três, contudo a escuridão não impede o trabalho.

Quando chegaram a Haworth, em 1820, eram oito ao todo, Emliy tinha apenas dois anos e não compreendia bem por que o pai decidira mudar-se para um lugar tão solitário, batido pelos ventos uivantes. A partir da mudança a família começou a diminuir, primeiro morreu a mãe na terrível agonia do câncer. Emily ainda guarda nos ouvidos os ecos de seus gritos, embora o pai houvesse escrito que a esposa havia morrido calmamente “com uma sagrada e humildade confiança em cristo, seu salvador, e no céu, sua morada eterna”.



Tia Branwell fora morar com eles. Para as crianças, a falta da mãe somou a dor de verem sua liberdade diminuída.

Um dia o pai viajará para Leeds e retornara trazendo um presente para Brawell. As crianças se aglomeraram em volta da caixa de madeira, respiração suspensa , a espera do conteúdo.Brawell então levantou a tampa e foi tirando um por um, doze soldadinhos de chumbo. Charlotte, por ser a mais velha , escolheu o primeiro que lhe pareceu mais bonito e o batizou “Duque de Wellington” Depois Emily tomou o soldadinho que julgou mais parecido com ela mesma - tristonho e sério -,e deu- lhe o nome de “Gravey”. Anne escolheu por último – o “mensageiro”.

Inventaram epopéias, tramaram enredos e , um dia, resolveram escrevê-los. Brawell sugeriu que registrassem as histórias em forma de jornal. Emily e Anne sentia-se rejeitadas porque os irmãos não aceitavam nenhuma de suas sugestões. Alguns anos mais tarde , Charlotte entrou para o colégio em Roe Head. Brawell começou a beber no touro negro e os escritos de “Angria” foram esquecidos. Emily, a essa altura, já se voltara para dentro de si, disfarçando com uma mascará de indiferença as emoções que a sacudiam. Achava impossível estabelecer uma comunicação tão perfeita que as dores de uma pessoa chegasse a se dividir com outra, e assim minorassem:” se podes, por um instante lamentar o que lhe aflige, não podes partilhar da minha infinita magoa”.........




Emily Jane Bronte

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Há uma diferença entre o Hitler e o Stálin ......





















“Há uma diferença entre o Hitler e o Stálin que precisa ser devidamente registrada. Ambos fuzilavam seus inimigos, mas o Stálin lia os livros antes de fuzilá-los. Essa é a grande diferença. Estamos vivendo, portanto, uma pequena involução, estamos saindo de uma situação stalinista e agora adotando uma postura mais de viés fascista, que é criticar um livro sem ler”.(Ministro da Educação Fernando Haddad).

Recebi essa mensagem no Facebook e resolvi postar, ela diz realmente o que muitos metidos a intelectuais fazem, criticar sem ler, querer falar de um assunto sem ter propriedade, criticar o que não conhece.
Vamos ler primeiro para poder criticar, de fascista a UFAC está cheia se querem conhecê-los apareçam por lar um bando de pseudo- intelectuais fascistas.


Niezsche fala muito bem sobre isso:

"Quem sabe que é profundo busca a clareza. Quem deseja parecer profundo para a multidão procura ser obscuro porque a multidão toma por profundo aquilo cujo o fundo não vê, ela é medrosa... exita em entrar na água" (Friedrich Niezsche).